News

segunda-feira, 6 de maio de 2019

MAUD VANHAUWAERT : CELA| Connecting Emerging Literary Artists










 CELAConnecting Emerging Literary Artists




O Projecto:

O projeto CELA (Connecting Emerging Literary Artists) abre o palco europeu a uma nova geração de criadores literários. Permite uma cooperação transnacional intensiva entre talentosos escritores, tradutores e profissionais literários europeus em início de carreira. No decurso do projeto, os participantes enfrentam algumas das mais exigentes realidades da nossa era — de fraturas cada vez mais acentuadas na Europa a um setor editorial em mudança — e põem-nas em perspetiva, partilham o seu trabalho e colmatam o fosso que os separa do setor editorial e do público europeu.
As organizações literárias de seis países europeus uniram forças para fundar o projeto de incubação de talentos cela — Connecting Emerging Literary Artists. Partilhamos a necessidade de estabelecer uma infraestrutura sustentável de incubação de talentos para preservar a diversidade da literatura europeia e dar maiores oportunidades a línguas minoritárias. 
O projeto proporciona um percurso de dois anos com formação, instrumentos e uma rede que visam tornar possível uma carreira internacional e estabelecer uma prática profissional integrada. Com uma atenção em competências e mobilidade transnacional, incluímos especialmente as oportunidades digitais na literatura, novas formas de os participantes conseguirem emprego e rendimento.
Cada edição do projeto cela decorre durante dois anos. No primeiro ano, as organizações literárias orientam os escritores, tradutores e profissionais literários e proporcionam-lhes um programa multinacional de residências, formação e master classes para os preparar para trabalhar no mercado europeu e para um público internacional. No segundo ano, os participantes são inseridos por via de marketing internacional e campanhas publicitárias, uma digressão por festivais
europeus e apresentações ao público e a profissionais europeus por escritores e tradutores de renome (os nossos embaixadores cela) e organizações literárias. 

Os autores e tradutores participam em campanhas internacionais, festivais literários em diferentes países e numa rede de trabalho que proporcionará contacto entre todos os participantes.
Kick-Off: Hay Festival Segovia (Espanha)Tinto-no-Branco- Festival Literário de Viseu (Portugal), Book Fest (Roménia), Pisa Book Festival (Itália), Lev-Literatura em Viagem (Portugal), Passa Porta Festival (Belgium), Wintertuinfestival (Holanda) recebem os autores e tradutores do projecto CELA.


Parceiros:
Booktailors
Escuela de Escritores
Flemish-Dutch House deBuren
Passa Porta
Pisa Book Festival
Wintertuin




Biografia

MAUD VANHAUWAERT




Ano de nascimento: 1984
Nascida: Bélgica
Vive e trabalha em Antuérpia
– Publicações: recolhas de poemas Ik ben mogelijk (Sou Possível, Querido,
2011) e Wij zijn evenwijdig (Somos Paralelos, Querido, 2014), sendo o
segundo o livro de poesia mais vendido na Bélgica em 2015, ainda em
circulação (7.ª edição em 2017)
– Traduções: Nous sommes parallèles (Éditions Tetras Lyre, 2016), conto
«Staties in Lublin» («Estações da Cruz de Lublin», 2013) disponível
como citybook em neerlandês, inglês, francês e polaco e via podcast (www.
citybooks.eu)
– Prémios: concurso Frappant TXT’ (2012), finalista do Campeonato do
Mundo de Poetry Slam (2012) e do prestigiado Leids Cabaret Festival
(2014), prémios Vrouw Debuut para Ik ben mogelijk, Prémio Herman de
Coninck e Prémio Hughues C. Pernath para Wij zijn evenwijdig


Sobre MAUD VANHAUWAERT

Maud Vanhauwaert é escritora e dramaturga. Ela fala acerca do seu trabalho, o qual nem sempre é aceite com facilidade. «Opero numa área intermediária, sim. Gosto de alternar entre prosa e poesia, e entre textos escritos e recitados. Por causa destas formas intermediárias sou, de repente, vista como bastante experimental. O meu primeiro livro foi uma coletânea de poemas, mas também era prosa e, ao mesmo tempo, uma coleção de piadas melancólicas. As livrarias não sabiam lidar com isto. Elas não tinham ideia onde é que o tinham de colocar. Este pensamento extremamente compartimentalizado também me seduz bastante», diz Vanhauwaert, e ergue as sobrancelhas. Ela olha para a rua e a sua voz fica mais suave, mas também mais alegre. «Quando há compartimentos, uma pessoa tem a possibilidade de destabilizar. Foi precisamente isto que me saltou à vista quando comecei a atuar enquanto escritora: a partir do palco, dá para ver que existem muitos preconceitos acerca daquilo que é a poesia e daquilo que é esperado numa noite literária. Destabilizar estas expectativas é algo que me atrai. A língua tem um efeito bastante manipulador. Ela determina como olhamos para as coisas. Quero zombar disto e fugir.» «Tenho uma admiração enorme por artistas que, sem qualquer restrição, fazem aquilo que desejam fazer de forma perfeitamente autónoma. Porém, também não é assim que sou. Enquanto criadora, atribuo bastante valor ao lado social da escrita.» O desejo de abalar estruturas é expresso por Van Halluwaert através de várias maneiras: publicou duas coletâneas de poesia, as quais foram múltiplas vezes premiadas, fez peças de teatro, e foi nomeada poeta da cidade de Antuérpia no período 2018-2019. «Acha que estes factos dizem algo acerca de mim?», pergunta ela, repentinamente. Também já me apresentei como «Maud Vanhauwaert, filha de Pol e Daniëlle, e irmã gémea de Julie. Talvez isto tenha bastante mais significado. E por que razão não me posso apresentar com um enigma?» Trata-se de reflexões que se enquadram num criador que não quer se vincular e que não necessita de definições. «Nos últimos anos, encontrei um campo de atuação no qual gosto de atuar. É uma posição de extensão. Pelo menos, é assim que o sinto. Vejo isto como duas cenas distintas. Há a cena com a folha de papel, e há a cena em palco. Trata-se de dois campos de atuação com os seus próprios padrões. Na combinação dos dois sinto-me extremamente livre e segura», diz Vanhauwaert. Uma madeixa de cabelo que se encontrava atrás da orelha cai sobre o seu rosto, mas ela não lhe toca. Em vez disso, olha para baixo, de forma transversal, algo que lhe dá ares de estar à procura de algo, apesar de falar de forma fluente e desembaraçada.» «Mesmo que ninguém quisesse ler nada escrito por mim, continuaria a escrever, algo do qual me apercebi, de repente, no ano passado. Existe um motor a funcionar e a gasolina não é o público ou a reação. O facto de a paixão que sinto por aquilo que faço não estar diretamente relacionada com a forma como é acolhido, foi um alívio enorme.»


Vídeo




Conto de MAUD VANHAUWAERT

Um batismo. Um novo começo. Uma capa preta por cima dos meus ombros, como um manto cerimonial. Ela pega na minha cabeça e inclina-a, cuidadosamente, para trás. A água parece muito mais suave do que a água do meu duche em casa. As suas pontas dos dedos massajam o meu couro cabeludo. A minha cabeça. Esta minha cabeça. Esta cabeça sem a qual não posso viver. Esta cabeça pesada. Esta cabeça que se anuncia. Esta cabeça em que pensamentos. Sempre pensamentos sem aviso prévio. Pensamentos que nunca cessam. Fecho os olhos e tento imaginar que, juntamente com a minha cabeça, ela também massaja os meus pensamentos, como se com a pressão dos seus dedos acalmasse as madeixas tortuosas e convulsivas. 

 A única pessoa a alguma vez massajar a minha cabeça foi a minha mãe. Eu segurava uma luva de banho sobre os meus olhos enquanto ela ensaboava o meu cabelo com ternura, mas, ao mesmo tempo, com vigor. Eu pressionava a luva de banho firmemente até ver estrelas. Esta cabeça em que o universo. Numa toalha grande, retirava-me da banheira e secava-me a pele, até mesmo entre os dedos dos pés ("porque os fungos trepam como hera, até este lugar e aqui"), e fazia-me cócegas, e eu tinha que me rir de tal forma que lhe implorava para que parasse. De seguida, ordenava que me sentasse de trás para a frente na tampa da sanita. Secava o meu cabelo com o secador e escovava-o, entrelaçando-o de seguida em uma trança parisiense. Por vezes, puxava com tanta força que eu plantava as minhas unhas nas minhas coxas. Talvez, penso eu agora, sempre precisei de uma dor para reprimir uma outra. 
   Todos os anos, era como se fosse uma traição ir ao cabeleireiro. Eu enrolava o meu cabelo num tufo, e quando as pontas de cabelo se começavam a partir, aparava-as eu própria. Uma grande cabeleira nunca tive, por mais champôs contra "cabelo fraco e sem vida" que tivesse tentado. A uma determinada altura, cheguei mesmo a pensar que estes adjetivos indicavam o resultado desejado. 
   A loiça do lavatório empurra friamente o meu pescoço. Eu vou à procura dos sítios onde a moldura ornamental do teto é interrompida. A água quente corre nas minhas orelhas e, por breves momentos, estou sozinha na minha cabeça. A minha cabeça fechada. A lágrima no canto do meu olho direito transcorre na água quente e suave. Posso sempre dizer que meus olhos estão vermelhos do champô. 
   Sobressaltei-me quando vi o número do cabeleireiro nas Páginas Amarelas. Nada é tão impessoal quanto uma série de números, e mesmo assim, senti algo muito familiar nisto, bem como um certo desconforto, porque o cabeleireiro tinha ficado com o número, o nosso número, que, na verdade, é a tradução digital da “nossa casa”, sem mais nem menos.
Nos últimos anos, quando passava pelo bairro, desacelerava, mas nunca saía do carro, com medo de que alguém neste bairro ainda me reconhecesse e viesse falar comigo, ou simplesmente ficasse a olhar para mim com um olhar de pena. Quantas vezes é que as pessoas tinham olhado para mim desta forma nos últimos anos? Com aquele rasgo doloroso ao redor da boca, as sobrancelhas ligeiramente erguidas. Um olhar de "não diga nada, sabemos perfeitamente como é que se sente". 
   A loja de peles ao virar da esquina converteu-se num restaurante de shoarma, e o café da Mariette vesga é agora um escritório de emprego temporário. A minha mãe tinha um medo enorme que a casa fosse assaltada, e de forma a que as pessoas não olhassem para dentro, tinha pendurado uma cortina vermelha e pesada diante da janela grande da sala de estar, um excedente da companhia de teatro local. A cortina vermelha desapareceu, quando a casa foi vendida. Nos primeiros anos, lia-se "Cabeleireiro Corine" na janela, com letras brancas ornamentadas. As letras foram desaparecendo, uma por uma. Por algum tempo, lia-se "Cabeleireiro Corin", e no final, quando o estabelecimento já se encontrava vazio, há alguns meses, "abeleirei or". Cheguei a pensar em comprar a propriedade, mas antes de me ter conseguido informar, já havia novos proprietários e, de repente, surgiu na janela, num néon intermitente, "Cortar e Pronto". 
   "Posso perguntar uma coisinha?" 
   "Sim... claro." Tem piada, uma africana que diz "uma coisinha". 
  "É uma pergunta um bocado estranha." "Perguntar não custa." 
  "Está grávida ou teve cancro?" Fiquei sobressaltada. Antes de poder dar uma resposta, a cabeleireira justifica-se. 
  "Acontece com alguma frequência que pessoas que estão grávidas ou tiveram cancro têm cabelos fracos. mas temos uns produtinhos especiais capazes de estimular o crescimento do cabelo." 
  "Não há nada que cresça em mim. Nem criança, nem tumor." Imediatamente, arrependo-me daquilo que disse. A cabeleireira ri-se de uma forma forçada e, de seguida, diz com toda a seriedade: 
  “Claro que também pode ser uma questão genética. Então, estes produtinhos não irão ajudar muito, receio. Mas a senhora pode obter muito volume com um secador e um pouco de mousse para o cabelo.” Ela enxuga o meu cabelo com uma toalha. 
  "Pode vir comigo." Leva-me para uma das cadeiras de cabeleireiro em pele. Na parede, estão espelhos grandes pendurados. 
  "Eu já volto. Tem aqui umas revistinhas."

   Eu olho-me ao espelho. Estou com um aspeto terrível. O meu cabelo molhado colado à cabeça, naquela luz não particularmente lisonjeira. Murcho e sem vida. A moldura ornamental interrompida e o lustre com as gotas de vidro são as únicas coisas que reconheço do passado. De duas em duas semanas, a minha mãe empurrava a mesa por baixo do colosso monumental, e então, de uma forma dramática e encenada dizia: "Estou a limpar as minhas lágrimas". Quantas vezes é que me tentei lembrar das vozes dos meus pais? Nunca resulta, mas sou tranquilizada pelos meus sonhos, nos quais a minha mãe, por vezes, volta a dizer junto às escadas "vamos comer", e nestas alturas, ouço a voz dela de forma tão clara, ou melhor, tão baça - porque ela tinha uma voz baça, como se se tentasse sempre resguardar um pouco do mundo com um protetor de vento. E, por vezes, nos meus sonhos, o meu pai chega a casa e volta a cantar "e a árvore está nas montanhas". Algures na minha cabeça ainda ecoa o seu lalala”. 
   "Ora aqui estou eu novamente. Minha senhora, o que é que tinha mente? ", Pergunta a cabeleireira. Este é um momento em que lhe poderia perguntar.
   "Apenas as pontas." 
  "Apenas as pontinhas?" Será que eu poderia dizer, de repente, que ela podia rapar o meu cabelo por completo? Em termos de ritual de limpeza, poderia funcionar. Porém, é uma pergunta um pouco estranha num cabeleireiro quando o cabelo acabou de ser lavado. 
   "Olhe, não", digo, "corte-o até o pescoço." 
   Por vezes, acho que me tornei este lugar. Tornei-me a minha mãe. Tornei-me o meu pai. Tornei-me tudo aquilo que já deixou de existir. Eu já não moro mais na casa, mas a casa ainda mora em mim.
   “Vive nas redondezas?” Enquanto muda de tesoura, olha para mim de forma fugaz, através do espelho.
  "Não", respondo eu genuinamente, "mas eu estava nas proximidades e pensei: já é altura de cortar o cabelo." Imediatamente, tomo consciência de que minha história é inverosímil, porque já tinha feito uma marcação por telefone há uma semana atrás. 
  "Você tem um cabelo lindo", digo eu, rapidamente. "Eu tenho inveja de uma cabeleira assim." Ela tem um monte de pequenas tranças. Fazem-me lembrar a cortina de contas que se encontrava pendurada entre a cozinha e o jardim. "E eu tenho inveja do cabelo liso das mulheres europeias." Ela tem uma voz rouca, como se o secador de cabelo estivesse ligado às suas palavras. "Trocamos?" Ela ri-se, mas não dá resposta. Uma vez mais, tento dar uma reviravolta à conversa. "A minha mãe costumava fazer uma trança parisiense com o meu cabelo."   

  Naquele instante, uma outra cliente entra no estabelecimento. O lustre começa a tilintar. A cabeleireira pegou no casaco de uma senhora com as raízes do cabelo descoloradas. Faz-me lembrar a professora da segunda classe a quem chamávamos de "peido de pássaro" devido às raízes de cabelo descoloradas branco-acinzentadas. A cabeleireira instalou-a em um dos lavatórios e deu-lhe, também, um conjunto de "revistinhas". 
  "Peço desculpa pela demora. Hoje, está bastante movimento, como pode ver, e estou aqui sozinha." Com agilidade, move a tesoura entre os dedos. Ela tem unhas longas postiças com verniz brilhante. “Não vou cortar em camadas, senão fica ainda com menos volume. Um corte a direito, sem camadas, é melhor."
   Enquanto corta a parte da frente, a palma da mão dela repousa sobre a minha testa, como se estivesse a medir a minha febre. É de uma intimidade inesperada, o que me deixa desconfortável. Depois de ter escovado o meu cabelo e aplicado espuma para dar volume, ela fica a segurar um espelho redondo atrás da minha cabeça. Ela parece não olhar para mim, apenas para o meu cabelo, e eu poderia perfeitamente ser um manequim. Talvez ela esteja em pensamentos numa sala de estar na Etiópia. Ou será que nasceu em Flandres e mora agora nas proximidades? Já não me lembro da última vez que vi a parte de trás da minha cabeça. Esta minha cabeça. Esta cabeça que nunca consigo alcançar. Esta cabeça que não conhece limites. Esta cabeça palpitante e latejante. 
  "Você assim parece dez anos mais nova, não acha?" A cabeleireira retira a minha bata. Se ela soubesse. "Vai de encontro aos seus anseios?" pergunta alguns segundos depois, ao mesmo tempo que abre o meu casaco à minha frente. 
  Que gesto tão convidativo. Ainda é possível. Ainda lhe posso perguntar se é possível ir, uma vez mais, ao meu quarto de criança, para ver se a mancha de humidade ainda lá está, e onde vi um monstro com três baleias-de-bossas. Talvez, entretanto, tenha passado para quatro. E se, uma vez mais, posso ir ao quarto dos meus pais. Para, uma vez mais, me deitar no meio da cama. A cama ainda lá está, certo? Ainda dá para ouvir os ratos no sótão? Será que lhe posso contar que quando aqui morávamos, tínhamos pena de matar os ratos, pelo que os deixávamos andar à solta? Sentir, uma vez mais, aquele último domingo de manhã, entre os meus pais. A mamã que cheira um pouco a suor e que ressona tão baixinho que parece vir de bastante longe. O papá que inventa histórias acerca dos ratos. "Sim, foi tudo do meu agrado." Eu faço o pagamento e visto o meu casaco o mais devagar possível. 
  "Tenha o resto de um bom dia, minha senhora." A rapariga dirige-se a uma outra cliente. No balcão, encontra-se pendurado um fio com luzes de natal. Um cristal de neve foi borrifado na janela com neve falsa. Do outro lado da rua, um pai natal meio insuflado encontra-se pendurado a uma escada de corda. 
  "Posso perguntar-lhe uma outra coisa?" A cabeleireira já está de pé junto ao lavatório, e não me ouve. Eu aceno e procuro chamar a sua atenção. 
  "Sim?" Eu hesito, e remexo num botão. 
  "Sabe o que é que veio a seguir à “A árvore está nas montanhas?" 
  "Não entendo o que quer dizer, minha senhora." 
 "Naquela canção 'e a árvore está nas montanhas, lalala' canta-se 'e um cavalheiro veio até à senhora, e uma casa veio até ao cavalheiro, e algo veio até à casa ...' O que é que veio até à casa?” 
  "Eu não faço ideia, minha senhora. Eu não conheço essa canção." O peido de pássaro tem a cabeça pousada no lavatório e não levanta o olhar. "Esqueça, não é nada", digo eu. 
  "Ok" "É tudo." 
  "O quê?" "Tenha um bom dia, desculpe o incómodo." 
  "Não se preocupe. Tenha um bom dia, minha senhora." 
  A cabeleireira abre a torneira. De volta à calçada, só consigo pensar: fora do todo não há nada. Não sei de onde é que veio este pensamento e para onde é que vai, mas a frase continua a repetir-se dentro de mim, e eu experimento novas sequências, como se a frase fosse um quebra-cabeças que eu tinha que solucionar. Não há nada fora do todo. Fora do todo não há nada. Uma rena resplandece por trás da janela do restaurante de shoarma. Eu passo as minhas mãos pelo meu cabelo. Existe a tristeza. O frio bate no meu pescoço como uma espada. Olho, novamente, para a janela. Já dura há tanto tempo, mas a cortina não cai.

Tradutor

PEDRO VIEGAS


Ano de nascimento: 1981
Nascido: Portugal
Vive e trabalha em Nimega, Holanda.
– Tradutor de holandês e inglês para português
– Estudou Gestão na Faculdade de Economia de Coimbra e Marketing
Research, na Universidade de Groninga
– Certificate of Proficiency de Inglês (CPE) / Certificado de Holandês
como segunda língua (NT2)
– Tradutor de holandês/flamengo para português
– Especialização em tradução técnica, no que concerne a processos de
adoção
– Fã de livros e filmes holandeses/flamengo



Sem comentários:

Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *

Arquivo do blogue